Produtores e vinhos da Bairrada fazem “brilharete” nos Prémios da Wine – A Essência do Vinho

Mario Sergio - Quinta das Bageiras

Mario Sergio – Quinta das Bageiras

Grande Vadio 2011’ e ‘Quinta do Ribeirinho Baga Pé Franco 2010’ no TOP 10 WINE

A Bairrada está de parabéns! Produtores e vinhos da região estiveram no centro das atenções da cerimónia de anúncio e entrega de prémios que a revista Wine – A Essência do Vinho realizou na passada sexta-feira. Entre os ‘Melhores do Ano 2014’ foram eleitos a Quinta das Bágeiras, como ‘Produtor do Ano’ – afirmando o relevo que Mário Sérgio Nuno já tem no sector vitivinícola –, e o Vadio, na categoria de ‘Produtor Revelação do Ano’ – distinção que vem trazer às “luzes da ribalta” o trabalho que o enólogo Luís Patrão desenvolve na Bairrada com o seu projeto vínico pessoal. No que toca aos vinhos, destaque para o ‘Grande Vadio tinto 2011’ (Vadio) e para o ‘Quinta do Ribeirinho Baga Pé Franco tinto 2010’ (Luís Pato), que integraram o ‘Top 10 Wine 2014’ ao serem dois dos vinhos mais bem pontuados no ano transacto, ambos com 18,5 valores.

Lado a lado, a disputar o prémio de ‘Produtor do Ano’ com a Quinta das Bágeiras, estiveram a Adega Cooperativa de Monção (Verdes), a Quinta de Chocapalha (Lisboa) e a Sogevinus (Douro e Porto). Covela, M.O.B, Quinta do Francês e Vadio foram os quatro nomeados para ‘Produtor Revelação do Ano’. Nos vinhos, para além da excelente prestação da região no ‘Top 10 Wine 2014’, foram dois os néctares com Denominação de Origem Bairrada que entraram no ranking ‘Top Wine 2014’. Os néctares ‘Luís Pato Vinha Barrosa tinto 2011 (Luís Pato) e ‘Poeirinho Baga tinto 2012’ (Niepoort), ambos com 18 valores, revelaram-se escolhas altamente recomendadas pelo painel de provadores da revista.

A revista Wine define a Quinta da Bágeiras como “um produtor muito pequeno da Bairrada, que por credo acabou por se converter num dos guardiões principais da tradição, num dos fiéis depositários não só da casta Baga [vinificada em lagares e com estágio em madeira avinhada, em barricas e tonéis de madeira usada], como das castas brancas Maria Gomes e Bical, a primeira das quais tem sido tão mal tratada e pouco valorizada pela maioria dos produtores nacionais”. Um pequeno grande produtor cujos vinhos ocupam, quase sempre, lugares de destaque entre os melhores de Portugal e cujas rédeas estão a cargo do simpático, afável e carismático Mário Sérgio, alguém que na vida e nos vinhos assume “um perfil clássico, mas que gosta de beber ensinamentos do passado para os aplicar no presente”.

Luís Patrão, enólogo da Herdade dos Esporão, e o seu pai, Manuel Dinis Jesus Patrão, desenvolvem na Bairrada um projeto familiar e muito pequeno na dimensão, mas de elogiar na qualidade, consistência e personalidade dos vinhos. De destacar está o facto de possuir duas vinhas com castas tradicionais da região trabalhadas em agricultura orgânica, de onde nascem um espumante, um branco e dois tintos. Vinhos autênticos que, sem fugirem às origens, acrescentam um toque de modernidade que lhes assenta muito bem (a eles e à região!). Segundo a Wine, “são vinhos simultaneamente de autor e de terroir, vinhos de reflexão, que mostram que os projetos pequenos mas bem estruturados e íntegros merecem ser destacados”.

Sobre a Comissão Vitivinícola da Bairrada:

A Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVB) é uma associação interprofissional onde estão representados a produção e o comércio do sector. Tem a competência de atribuir a Denominação de Origem (DO) Bairrada, vender os selos de garantia para os vinhos aprovados, participar e promover a participação em feiras e apoiar a realização de acções de índole técnica e científica.

Sobre a Bairrada Vinícola:

A Bairrada é a mais antiga e importante região de espumantes do país. Desde 1890, aqui se produzem espumantes pelo método clássico, resultando vinhos muito finos de aroma e com uma excelente mousse no paladar. Os vinhos base espumante, elaborados sobretudo a partir das castas Baga (Casta Tinta), Maria-Gomes, Bical, Cercial e Arinto, e também das internacionais Chardonnay e Pinot Noir (Casta Tinta), são naturalmente frescos de sabor e de aromas delicados. Os vinhos tintos são estruturados, elegantes, com uma ímpar longevidade. A região foi, em tempos, de praticamente uma só casta tinta: a Baga. Actualmente, os seus vinhos integram outras castas, nas mais variadas proporções: Touriga Nacional, Tinta Roriz ou Tinto Cão e também Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah. Os seus aromas lembram bagas silvestres, resinas, especiarias e aromas fumados. Os vinhos e espumantes Bairrada são ideais para acompanhar as especialidades gastronómicas da região: o saboroso leitão assado, os pratos de peixe fresco e os requintados doces conventuais. Ressurge agora uma região plena de tradição e juventude; renovam-se as antigas Caves (fundadas a partir do final do séc. XIX); erguem-se adegas de arquitectura contemporânea, umas e outras encantando os apreciadores do vinho, da gastronomia e da arquitectura, vindos de todo o Mundo. Os enólogos criam vinhos com carácter e diversidade: para desfrutar mais tarde, ou prontos a beber – mas sempre elegantes!

Anúncios